Qual a importância dos cuidados com a voz?

A voz faz parte de nossa existência, ela está presente desde nosso nascimento e se manifesta por meio do choro, riso e grito. Desde o início da vida a voz é um dos meios de interação mais poderosos e se constitui ao modo básico de comunicação entre as pessoas. Apesar disso, ela geralmente só recebe a merecida atenção quando um problema ocorre e o indivíduo fica impedido de comunicar-se adequadamente.

Comunicamo-nos também pelo olhar, pelos gestos, pela expressão corporal, pela expressão facial e pela fala. A voz, entretanto, é a grande responsável pelas informações contidas numa mensagem. Por meio dela, transmitimos nossos pensamentos, sentimentos e emoções.

A nossa voz é somente nossa, uma expressão individual, semelhante ao que ocorre com nossa impressão digital. Ela revela a nossa identidade, nosso sexo, nosso estado de saúde, muitas vezes a profissão (exemplo: voz de locutor de rádio, ator, padre) e traços de nossa personalidade.

Como o corpo produz nossa voz?

A voz é produzida na laringe, onde se localizam as pregas vocais (cordas vocais). Ao respirarmos as pregas vocais se abrem e o ar entre e sai dos pulmões. Ao falarmos, elas se aproximam e o ar que sai dos pulmões, passando pelas pregas vocais, produzindo uma vibração que é a voz.

O som produzido passa pelas cavidades de ressonância (faringe, boca e nariz), alto-falantes naturais. Os sons da fala são articulados na boca, dentes, língua, lábios, mandíbula e palato. Estas estruturas modificam o som produzindo a fala.

Que cuidados posso ter com minha voz?

Uma boa voz depende da saúde e harmonia de todo o corpo. Para manter a sua voz saudável observe os seguintes itens:

– Hidratação: as pregas vocais vibram muito rápido para produzir a voz, exigindo uma mucosa solta e flexível, para que isso ocorra de modo livre e com atrito. Por isso, é essencial que a laringe esteja bem hidratada. Beba bastante líquido, água principalmente, ao longo de seu dia.

– Repouso: como qualquer atividade física, a voz exige um gasto de energia para que as pregas vocais vibrem. Quando falamos demais pode ocorrer fadiga vocal. Nesta situação percebe-se que a voz sai mais baixa e mais fraca. Necessitamos em média 8 horas de sono diariamente para repor as energias. Quando não conseguirmos dormir bem , pode-se perceber voz rouca e fraca pela manhã. Por isso, para manter uma voz saudável respeite seu tempo de sono para que o organismo recupere as energias.

– Fumo: o cigarro é nocivo à sua laringe e às pregas vocais e age diretamente sobre a mucosa causando irritação, além de agredir todo sistema respiratório. O fumo é considerado um dos principais fatores desencadeantes do câncer de laringe e pulmão.

– Álcool: provoca inchaço nas pregas vocais e uma leve anestesia na laringe com redução da sensibilidade desta região e deprime o sistema nervoso central, inibindo a censura. Como consequência uma série de abusos vocais podem ser cometidos, sem que se perceba e somente serão notadas após o efeito da bebida: ard6encia, queimação, voz rouca e fraca.

– Hábitos vocais: pigarrear, tossir e “raspar” a garganta para limpá-la causam alterações nas pregas vocais pelo atrito que ocasiona. Para evitar o pigarro, beba água para mantê-las hidratadas. Evite conversar sussurrando e cochichando, pois isso exige um grande esforço para a produção natural da voz. Ao falar, mantenha a voz numa intensidade moderada – nem tão forte, para não machucar as pregas vocais e nem tão fraca, pois acaba prejudicando o entendimento do ouvinte.

– Vestuário: Evite usar roupas apertadas. Na região do pescoço onde está a laringe (gravatas, colares e lenços) e na cintura os cintos e as faixas dificultam a movimentação do músculo diafragma que é importante para o suporte respiratório da fonação.

– Alimentação: chocolates e derivados do leite aumentam a viscosidade do muco no trato vocal e com isso induzindo a produção do pigarro. Os alimentos condimentados tornam digestão mais lenta e dificultam a movimentação do diafragma. Prefira alimentos leves, como verduras, legumes e frutas e mastigue bem, pois além de serem mais saudáveis também relaxam os músculos da mandíbula, língua e faringe, propiciando uma melhor dicção.

– Alergias: as alergias das vias aéreas (bronquite, asma, rinite, laringite) muitas vezes ocasionam edema “inchaço” e inflamação da mucosa do nariz e podem provocar alteração na respiração (você passa a respirar pela boca), além de acarretar outros problemas, tais como: rouquidão, afonia (perda da voz) e modificações na ressonância. Quando estiver em crise alérgica, faça repouso vocal, beba bastante líquido e procure atendimento médico.

– Drogas: o uso de drogas inalatórias e injetáveis são prejudiciais tanto para a sua saúde em geral quanto para a voz. Provocam ressecamento na laringe, danos à mucosa do trato vocal e lesões no septo.

– Poluição: pode ocasionar modificações na voz e na laringe de forma aguda ou crônica. A fumaça e produtos químicos que estão no ar podem comprometer a árvore respiratória das narinas até os pulmões. Os sintomas mais comuns ligados à poluição são: dificuldades ao respirar e também irritação na boca, língua e nariz. Há também a poluição sonora, que além de trazer danos à audição também pode provocar danos à voz, já que você acaba falando mais alto. Profissionais que estão expostos a ruídos intensos (trabalhadores da construção civil, aeroportos) devem usar medidas de proteção – protetores auriculares e fones de ouvido.

– Ar condicionado: ambientes refrigerados reduzem a umidade do ar e ocasionam o ressecamento do trato vocal, fazendo com que você faça mais esforço ao falar. Nestes casos, beba bastante água para manter as suas pregas vocais hidratadas.

– Temperatura: modificações de temperatura podem favorecer o surgimento de infecções respiratórias e com isso prejudicar a sua voz. Evite mudanças bruscas de temperatura.

– Esportes: se você pratica esportes como boxe, tênis ou vôlei, evite conversar durante a atividade física, pois estes esportes direcionam a tensão muscular na região do pescoço, costas e ombros, contribuindo que sua voz fique tensa e comprimida.

– Medicamentos: medicamentos usados para tratamento de alergias e infecções provocam ressecamento da garganta. Os diuréticos e remédios para dormir dificultam a emissão da voz.

– Hormônios: os hormônios estão diretamente ligados com modificações da voz desde a puberdade até a idade adulta. Nas mulheres, a voz sofre uma discreta alteração durante o período pré-menstrual, durante a gestação e uso do anticoncepcional. Mulheres que apresentam sinais de tensão pré-menstrual, por exemplo, podem irritar-se facilmente e apresentar tendências à depressão. Por isso, possuem maiores chances de ter alterações vocais (voz rouca e cansaço ao falar) durante o ciclo da menstruação.

– Refluxo-gastroesofágico: é o retorno do suco gástrico do estômago que passa pelo esôfago e pode atingir a boca. Este refluxo pode chegar a laringe e as pregas vocais e ocasionar alterações na voz. Evite ingerir alimentos muito condimentados, gordurosos, derivados do leite, dietéticos. Um dos sinais do refluxo são: a sensação de “bola” na garganta, pigarro constante, mau hálito, erosões dentárias, saliva “grossa”, rouquidão. Para evitar o refluxo, evite deitar logo após as refeições por, no mínimo, duas horas.

Atenção: Todas as informações contidas neste site possuem caráter informativo, não substituindo, em hipótese alguma, as orientações de seu médico.

Copyright © 2015 :: Lavinsky Otorrino - Design By Quanta PPG